O grande Chris Amon - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

O grande Chris Amon

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Considerado o maior piloto do mundo a não vencer uma prova sequer na Fórmula-1, o neozelandês Christopher Arthur Amon, ou simplesmente Chris Amon, morreu nesta quarta-feira aos 73 anos, em decorrência de um câncer, não divulgado pela família, mas possivelmente de pulmão, pois o cara era um dos corredores da Era Romântica do automobilismo que fumavam, como dá para ver aí na foto, de 1971.
Como já disse aqui várias vezes, comecei a acompanhar a F-1 em 1972, quando a Globo deu início às transmissões para o Brasil na esteira de sucesso de Emerson Fittipaldi. Como todos sabem, o nosso Rato foi campeão naquele ano. Eu tinha 13 anos de idade e logo me apaixonei por aquela até então desconhecida categoria e por aquele mágico carro da Lotus preto e dourado, o mais lindo de todos os tempos.
Já em meio ao campeonato, e com o Emerson liderando o Mundial, veio o GP da França, no circuito de Clermont-Ferrand, fantástico, uma espécie de Spa-Francorchamps já que utilizava estradas do interior da França em meio à densa vegetação de árvores.
A pole position naquela prova foi conquistada por Chris Amon, a bordo do carro francês Matra. Extremamente rápido e azarado, o neozelandês comandou a prova, em meio ao duelo pelo campeonato entre o escocês Jackie Stewart, de Tyrrell, o vencedor daquela corrida, e Emerson, o segundo colocado, mas teve problemas com o rendimento do motor. No final, Amon ainda subiu no terceiro posto do pódio. Nunca esqueci daquela prova e nem de Chris Amon.
No entanto, aquela corrida mágica na França foi a única expressiva de Amon naquele ano. O cara apareceu como um relâmpago e se apagou em seguida. Embora não tenha obtido o sucesso merecido em termos de resultados na F-1, Amon sempre foi muito respeitado pelos colegas pilotos e por todo o circo.
Correu na Reg Parnell, Brabham, Cooper, Ferrari, March, Matra, Tecno, Tyrrell, Amon, BRM, Ensign e Wolf, se despedindo das pistas em 1976, depois do GP do Canadá, e voltando à Nova Zelândia para ajudar nos negócios da família.
Amon não conseguiu nenhuma vitória na F-1, mas conquistou as 24 Horas de Le Mans em 1966, ao lado do compatriota Bruce McLaren, o fundador da poderosa equipe inglesa, com um Ford GT40.
Eu gostava muito do Chris Amon, porque ele ajudou na minha paixão pela F-1.



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal