Entrevista com Hamilton - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Entrevista com Hamilton

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

A assessoria da Fórmula-1 conversou com Lewis Hamilton nos bastidores da primeira semana de testes da pré-temporada, nesta semana, em Montmeló, Espanha. Depois de perder o campeonato no ano passado para o companheiro de Mercedes Nico Rosberg por apenas cinco pontos e ter passado o período de férias dividido com as muitas badalações de celebridade que é, e das quais adora, seus cachorros e novas tatuagens espalhadas pelo corpo, o tricampeão falou sobre a vida e a nova temporada.

- Lewis, todas as apostas apontam você como o favorito destacado para vencer o campeonato neste ano. Como você vê isso?

LH: Ah, é isso? Eu não sabia disso. Isso é bom de ouvir. Bem, eu estou mais capaz, estou trabalhando mais duro do que nunca e estou superfocado e dirigido depois do ano passado, quando também trabalhei duro durante o ano, mas não obtive o resultado que queria. Então, quero mudar e é isso que a equipe e eu estamos trabalhando tão duro para conseguir. Não estou realmente certo, mas não acho que qualquer equipe já ganhou campeonatos através de mudanças de regras - e esse é o grande objetivo para nós. Queremos ficar na frente, mas será uma temporada muito interessante para nós e para os fãs

- Os altos e baixos de seu relacionamento com Nico Rosberg foram bem documentados e a mídia adorou retratá-lo. Agora, você tem um homem de poucas palavras no box (O novo companheiro Valtteri Bottas). Isso significa que você sozinho terá que fornecer as notícias mais amenas que os fãs e a imprensa tanto gostam?

LH: Ha! Mas aprendi que ele faz seu próprio entretenimento. Ele é muito espirituoso e sai com algumas coisas muito engraçadas, que você realmente não esperaria de um finlandês! (Risos) O que deu para perceber até agora é que o Valtteri está sempre ficado na pista, nunca foram dela. Não há jogos, há transparência total. Gosto disso. Sinto que já temos uma melhor relação de trabalho do que já tive com qualquer companheiro de equipe antes.

- Você ficaria preocupado se as pessoas começassem a te ver mais como uma celebridade do tapete vermelho do que como um esportista?

LH: Não, realmente não. Acho que só pode ser uma coisa boa para mim. Enquanto eu entregar e as pessoas me reconhecem tanto no carro como no tapete vermelho, então eu ainda terei algo quando parar de correr. Praticamente a maioria dos pilotos são reconhecidos no carro, mas assim que eles estão no tapete vermelho ninguém sabe o inferno que eles passam. É por isso que muitos acabam no paddock novamente.  Tenho planos para fazer algo muito diferente quando parar, viver bem longe das pistas!

- Você é alguém que pode perdoar e esquecer facilmente das coisas?

LH: Não acredito muito em esquecer e perdoar. Ou melhor,  acredito em perdoar porque Deus nos ensinou isso, mas não acho que você realmente esquece das coisas ruins que fazem contra você.

- Três meses sem corridas: qual foi a melhor coisa que você fez durante este tempo?

LH: Pilotei helicóptero, fiz manobras radicais de Buggy nas dunas, mergulhei e fui, claro, a desfiles de moda. Sim, vivi a vida ao máximo de uma maneira diferente. E isso não significa necessariamente festa. Tomei tempo para mim e passei com minha família. Agora me sinto muito positivo para a temporada.

- O regime de treinamento obviamente tem sido diferente para esses tipos de carros - agora você precisa ser mais forte. Os músculos dos bons velhos tempos precisam estar a mil.

LH: Deixe-me falar sobre o treinamento da nova temporada: neste ano em particular, estes são os carros mais difíceis que eu já pilotei. Meu palpite é que nos próximos dois meses veremos a transformação do tamanho do pescoço dos pilotos e sua forma física. Mas você não pode exagerar.

- Você tem sido bastante feliz em sua carreira. Qual é o segredo?

LH: Sim, definitivamente tive sorte em comparação com muitos outros, mas eu nem sempre tive grandes carros. Esta é a minha 11ª temporada, então vamos voltar no tempo: comecei em 2007 e tinha um bom carro, em 2008, também um grande carro e conquistei o campeonato, em 2009, o carro era ruim, em 2010 e 2011, também não foram nada bons, tive em 2012 um bom carro, mas perdi, em 2013, foi outro bom carro, mas nenhuma vitória no campeonato. E depois, em 2014, 2105 e 2016, carros vencedores e dois títulos! Mas então as pessoas com pouca imaginação vêm e dizem: 'Ah, ele é tão sortudo!' É verdade, tenho sorte. Mas para levar uma equipe de futebol, os times que ganham contratam os melhores jogadores. Não é diferente aqui: os melhores pilotos estão nas melhores equipes.

- Vamos passar do passado para o presente. Que cenário você imagina para Melbourne (primeira corrida do ano, no próximo dia 26)?

LH: Quero a pole position, a volta mais rápida, ser a mais rápido em cada sessão e vencer!

- Finalmente, há algumas mudanças atraentes em sua aparência. Há quanto tempo você tem esse piercing no nariz?

LH: Cerca de três semanas. Estava com um amigo e nós somos como, 'Hey, vamos fazer uma nova tatuagem? Legal, vamos fazer!' E então, 'Vamos pegar alguns piercings? Certo!' Então fomos para um salão de perfuração. E eu estava um pouco indeciso: nova tatuagem ou novo piercing? Eu amo a palavra "lealdade", então agora tenho escrito em meu antebraço. E então tenho "Deus é amor" no meu pescoço. Às vezes, é difícil saber onde colocar as ideias que você tem, para saber onde se encaixa.

- Você está ficando sem lugar na pele...

LH: Ah, não, ainda tenho muita pele. Tenho ainda um braço inteiro, minhas pernas inteiras e muitas partes ainda para pintar. Portanto, não se preocupe com isso. (Risos)



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal