Uma falida que rasga dinheiro! - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Uma falida que rasga dinheiro!

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

A coisa esquentou para os lados da equipe mais fraca do Mundial. O grupo investidor suíço da Sauber afastou a indiana Monisha Kaltenborn do comando da escuderia. E quem está no centro do novo maremoto na equipe fundada pelo suíço Peter Sauber? O sueco Marcus Ericsson, a mala sem alça que não pilota coisa nenhuma. Monisha foi afastada por dar as mesmas condições para os dois pilotos, Ericsson e o alemão Pascal Werlein, um dos melhores da safra de novos talentos da Fórmula-1.
A situação se repete na Sauber. No ano passado, o meia-boca Ericsson era o preferido do tal grupo novo dono da equipe em detrimento ao brasileiro Felipe Nasr, que inclusive tinha levado o patrocínio do Banco do Brasil para a escuderia. Nasr conseguiu os únicos pontos para a Sauber não ficar em último em 2016 mas foi chutado do time mesmo assim.
Querem saber? Dane-se a Sauber! Que morra abraçada ao Ericsson! Algo do tipo, embora para mim seja um erro de avaliação, ocorre na Renault e na Haas. Na francesa, os caras queimaram um bom banco com o inglês Jolyon Palmer. Na norte-americana, conseguiram um lugarzinho para o dinamarquês Kevin Magnussen. Estes dois pilotos decididamente não são desta turma.
Voltando ao Werhlein: o alemão foi colocado na Sauber por influência de Toto Wolff, chefão da Mercedes, que se viu obrigado a tal por Werhlein ser um piloto da Mercedes, e o dirigente austríaco preferiu buscar o finlandês Valtteri Bottas para o lugar do aposentado Nico Rosberg.
Se Werhlein dançar da Sauber, deve ir para a McLaren em 2018, pois a equipe inglesa voltará a ter motores alemães. Aí dança o belga Stoffel Vandoorne? Sim, dança o Stoffel. A vida é dura...



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal