A mística Eau Rouge de Spa - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

A mística Eau Rouge de Spa

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·







A curva Eau Rouge, o longo Esse em subida de Spa-Francorchamps, é um daqueles lugares mágicos do mundo da velocidade, algo que beira o sobrenatural. Olhe aí em cima nas fotos, a célebre curva sempre teve o mesmo desenho. Em uma das imagens, o trecho está coberto pela neve.
Como a maior parte do circuito belga, a Eau Rouge (Água Vermelha, nome vindo de um pequeno riacho vizinho, desta cor) era um trecho de estradas que ligavam vários lugarejos da Região das Ardenas, entre eles, Spa e Francorchamps. Portando, a curva não foi desenhada nem imaginada por nenhum projetista. Ela simplesmente foi aberta como uma estrada.
Como outro trecho famoso, o Laranjinha, de Interlagos, a Eau Rouge é uma curva cega, porque no meio dela os pilotos não enxergam seu final. Está localizada logo no início do traçado de Spa. Depois de passarem pelo grampo safado (como diria nosso Professor) Source, os pilotos descem em velocidade máxima até a curva. A Eau Rouge é formada por três pernas em níveis distintos. Primeiro, vira-se para a esquerda, sobre uma leve subida. Depois, vira-se para a direita passando sobre uma subida repentina. A última perna da curva é feita para a esquerda, de onde se atinge o início de uma longa reta, a Kemmel Straight.
Os dois pilotos da extinta BAR, o canadense Jacques Villeneuve e o brasileiro Ricardo Zonta, bateram muito forte na Eau Rouge em 1999, ambos nos treinos. Incrivelmente, apesar de os carros terem se destruído, os dois escaparam ilesos.
Mas a Eau Rouge tem registrada uma morte, do virtual campeão da F-1 Stefan Bellof, durante os Mil Quilômetros de Spa-Francorchamps, no dia 1 de setembro de 1985. Ao disputar a liderança com o belga Jacky Ickx, o piloto alemão de 27 anos tentou uma ultrapassagem na famosa curva.
Os dois Porsche se tocaram. Ickx bateu de traseira no guard-rail e Bellof chocou-se de frente no muro de proteção. O carro do alemão explodiu imediatamente. Bellof ainda foi retirado do carro com vida, mas não resistiu aos múltiplos ferimentos e morreu no centro de cirurgia do autódromo uma hora depois do acidente.
Nos últimos anos, devido à força da aerodinâmica dos carros da F-1, quase todos os pilotos fazem a Eau Rouge de pé cravado. Anos antes, poucos (Ayrton Senna e Michael Schumacher, dois dos maiores vencedores de Spa) tinham essa coragem.



1 comentário
Média dos votos: 110.0/5
Matteus Saldanha
2016-08-25 12:00:40
Melhor circuito do calendário

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal