O menino que só sabia correr! - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

O menino que só sabia correr!

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·

Assim como Michael Jackson, Ayrton Senna jamais deixou de ser criança. Curiosamente, eles teriam por volta da minha idade agora, 57 anos, 56 para o brasileiro, 58 para o norte-americano, que vivia na Terra do Nunca, a Neverland de Peter Pan, o menino voador que se recusava a ficar adulto.
Senna viveu para correr. Só sabia fazer isso. Fora das pistas, o tricampeão só tinha preocupação com as crianças. Ajudava financeiramente os baixinhos necessitados, embora exigisse que aquilo não fosse divulgado. Depois de sua morte, a irmã Viviane abriu o Instituto Ayrton Senna, que, apesar da inegável contribuição para a infância carente, não tem, no íntimo da irmã Senna, objetivos tão nobres quanto aqueles feitos anonimamente pelo Senna famoso.
Já disse muitas vezes que sou contra a presença de crianças em filmes ou novelas. Quando a criança interpreta um papel, perde a sua essência, a autenticidade.
Criança não tem culpas, mesmo e principalmente aquelas usadas como "mulas" do tráfico do Rio de Janeiro ou em qualquer outro delito promovido por adultos. Obviamente, a culpa não é delas.
O menino que só sabia correr se foi no dia 1 de maio de 1994, com 34 anos. Virou Mito, virou Estrela. Aqui, ficou a culpa convivendo no âmago dos responsáveis, direta ou indiretamente, pela viagem definitiva do menino brasileiro.
Mesmo não sofrendo a punição necessária pela Justiça italiana, a Federação Internacional de Automobilismo – por ter exigido que Senna corresse naquela prova -, a Williams – por ter feito uma patética emenda na barra de direção, que se rompeu, do carro e por ter comprado o silêncio da família Senna –, Michael Schumacher e Benetton – por competirem com um carro completamente fora do regulamento, transtornando a cabeça de Senna naquele ano - e San Marino - por dar nome à fatídica corrida em Ímola -, terão de conviver com a culpa para sempre.
Para reduzir o remorso, talvez, a diminuta república encravada no Norte da Itália mandou confeccionar uma moeda de 5 euros por ocasião dos 20 anos da morte de Senna, em 2014. A peça foi lançada pela Agência Autônoma de Filatelia e Numismática do governo de San Marino. Foram feitas apenas 8 mil dessas moedas, ao preço de 49,90 euros.
A peça pesa 18 gramas, tem 32 milímetros de diâmetro e mostra uma imagem do rosto de Senna junto à Williams FW16 de um lado e o brasão de San Marino no outro. A moeda foi criada pelos designers Marcio Petta e Antonella Napolione.
É uma bela homenagem. Mas não compensa pela violência cometida contra o menino que só sabia correr e que morreu na liderança da prova.
Feliz Dia da Criança!



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal