Vitória de Vettel e esportividade da Mercedes - Blog da Fórmula-1 de Daniel Dias - Dias ao Volante

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Vitória de Vettel e esportividade da Mercedes

Dias ao Volante
Publicado por em F-1 ·


Sebastian Vettel aproveitou a pista de Hungaroring, favorável à Ferrari em relação à Mercedes, e venceu o GP da Hungria, neste domingo, abrindo 14 pontos de vantagem na liderança do Mundial, além de formar dobradinha da equipe italiana com Kimi Raikkonen, o segundo colocado. A Flecha de Prata deu uma lição de esportividade pedindo para que Lewis Hamilton devolvesse a terceira colocação para o companheiro Valtteri Bottas, que havia dado a sua posição para o inglês depois da sessão de pit stops.
E esta atitude da Mercedes se tornou o principal detalhe do GP da Hungria, pois o triunfo da Ferrari já era esperado. Por que a equipe alemã decidiu abrir mão de três pontos do Hamilton em um campeonato tão disputado dele contra Vettel?
Tenho uma outra leitura: em Silverstone, a prova anterior a da Hungria, a Mercedes percebeu claramente que tinha passado a Ferrari em termos de rendimento em um tipo de circuito mais "normal", digamos assim. Hungaroring tem um traçado todo diferente, truncado, travado, quase um circuito de rua, e que beneficia um carro mais curto entre-eixos, como o da Ferrari.
Na segunda parte do campeonato, predominam as pistas mais afins ao carro da Mercedes. Prevendo e calculando isto, os dirigentes da Flecha de Prata optaram por posarem de bonzinhos agora, ficando bem na foto no terreno desportivo aos olhos dos fãs da Fórmula-1, e tentar atropelar a Ferrari a partir de Spa-Francorchamps, primeira etapa após as férias do verão europeu. Se a Mercedes e eu temos razão, veremos no desenrolar do ano.
Vettel venceu na Hungria mas não foi o passeio que a Ferrari e o próprio Hamilton esperavam. O tetracampeão enfrentou problemas na direção em quase toda a corrida. Com isto, o piloto do carro de número 5 teve de aliviar o pé, caindo para o nível de desempenho das Mercedes. O problema de Vettel inclusive levou o Raikkonen a pedir para que a equipe o deixasse passar para primeiro, pois as Mercedes se aproximavam na metade da corrida. Mas, mesmo assim, as Ferrari não foram superadas, em uma pista totalmente desfavorável para as ultrapassagens.
A prova deste domingo teve ainda a ausência de Felipe Massa. O brasileiro teve um mal estar no segundo treino de sexta-feira, sendo atendido em um hospital de Budapeste. O piloto da Williams participou do terceiro treino livre no sábado, sentindo novamente tonturas. O problema de Massa foi diagnosticado como uma virose, e Paul di Resta o substituiu na classificação e na corrida. Massa retorna em Spa.
Na largada, Max Verstappen aprontou mais uma, errando a freada na curva 2, batendo e tirando da prova seu companheiro Daniel Ricciardo. A direção de corrida resolveu punir o holandês em 10 segundos, não suficiente para diminuir a raiva do australiano. A frase de Ricciardo para o repórter da Globo resume tudo:
- Quero ver se ele virá falar comigo como um menino que é ou como um homem.
Fernando Alonso foi brilhante na Hungria, desde a classificação. O piloto da McLaren terminou a prova em sexto lugar. Mostrando sua nova fase light, o espanhol vibrou muito na chegada, depois de ter feito a volta mais rápida da corrida, e acompanhou o pódio sentado em uma cadeira de praia no pit line do circuito de Hungaroring, ao lado de um cartaz com a mesma cena feita por ele no GP do Brasil de 2014.
Buenas, a F-1 para por três semanas. Mas continue comparecendo aqui, porque eles descansam, nós, não!



Sem comentários

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal